NOVEMBRO 2021

banner_novembro_2021.png

INVESTIMENTOS

A pandemia traz novas incertezas para o mercado econômico com a chegada da variante Ômicron

podcast_edited.png

Confira abaixo, os principais eventos e índices que marcaram o mercado financeiro no mês de novembro de 2021 e como eles afetaram as carteiras:

folhas1.png

Ibovespa - Novembro/2021

-14,37%

Indicador

CDI
Poupança
IMA-B
Ibovespa
IFMM-A
Dólar
IFIX
IRFM 1+
IDA Geral
IPCA
INPC
IPC

2021

3,62%
2,48%
-1,49%
-14,37%
0,68%
8,14%
-10,17%
-7,11%
6,02%
9,26%
9,36%
9,12%

set/21

0,44%
0,30%
-0,13%
-6,57%
-0,45%
5,76%
-1,24%
-0,73%
0,61%
1,16%
1,20%
1,13%

out/21

0,49%
0,36%
-2,54%
-6,74%
-0,64%
3,74%
-1,47%
-3,44%
-0,22%
1,25%
1,16%
1,00%

nov/21

0,59%
0,44%
3,47%
-1,53%
0,07%
-0,41%
-3,63%
2,19%
1,75%
0,95%
0,84%
0,72%

Mercados globais

O mês de novembro trouxe mais um fator de risco ao cenário global com o surgimento da nova variante da Covid-19, denominada Ômicron. A preocupação se torna ainda maior com o pronunciamento do FED (Banco Central Americano) sobre a retirada dos estímulos econômicos criados durante a pandemia nos Estados Unidos.

Brasil

No Brasil, parte do projeto referente a PEC dos Precatórios foi aprovada em segundo turno pelo Senado, abrindo espaço de R$ 65 bilhões no orçamento de 2022.

Mercado de ações

Em novembro, o Ibovespa completa seu quinto mês consecutivo de perdas e registra queda de 1,53%

Inflação

O surgimento da nova variante Ômicron da Covid-19 serviu como um alerta para os mercados, aumentando as incertezas sobre a retomada do mercado econômico.

folhas1_edited.png

CONSOLIDADO DOS INVESTIMENTOS DA ENERGISAPREV

Os planos administrados pela EnergisaPrev possuem segregação real de ativos, o que quer dizer que cada plano possui sua política de investimentos e carteira que buscam garantir a solvência e liquidez ao longo do tempo, orientadas pelo passivo de cada plano (como o fluxo do passivo, por exemplo). Assim, os recursos dos planos de benefícios são contabilizados e gerenciados separadamente. Isto é, de forma independente e não solidária, inclusive nos resultados auferidos. 

Total dos recursos garantidores

R$ 1,54 bilhões

84,23%
3,97%
5,21%

1,81%

3,21%
1,58%

Renda Fixa

Renda Variável

Estruturados

Inv. Exterior

Empréstimos

Imobiliário

Evolução dos Investimentos

(em R$ bilhão)

A EnergisaPrev administra aproximadamente R$ 1,54 bilhão em ativos de investimentos, o patrimônio dos planos é aplicado em diversos segmentos de investimentos, incluindo desde renda fixa até investimentos no exterior. A carteira de investimentos da EnergisaPrev vem passando por uma reformulação nos últimos meses, a gestão tem buscado investimentos que acompanhem o mercado atual, e seus gestores possuem grande capacidade para buscar as melhores alocações.
A aplicação dos recursos é realizada de maneira estratégica, buscando atingir rentabilidades que garantam uma evolução do patrimônio, assegurando os compromissos dos planos hoje e no futuro.

podcast.png

Detalhamento por Plano

 

OBSERVAÇÕES E ANÁLISE DE MERCADO

 

A pandemia traz novas incertezas para o mercado econômico com a chegada da variante Ômicron, a preocupação agora é com a quantidade de mutações apresentadas pela cepa e a eficácia das vacinas sobre ela. 

Mercados globais

O mês de novembro trouxe mais um fator de risco ao cenário global com o surgimento da nova variante da Covid-19, denominada Ômicron. Com os estudos em andamento, ainda não é possível saber ao certo o impacto que ela pode causar ao crescimento econômico mundial. 


A preocupação se torna ainda maior com o pronunciamento do FED (Banco Central Americano) sobre a retirada dos estímulos econômicos criados durante a pandemia nos Estados Unidos. A Instituição informou que pretende reduzir as compras a um ritmo de US$ 15 bilhões por mês, a partir de novembro/2021. Até o momento não se sabe quando o país começará a próxima etapa de normalização da política monetária, com a elevação das taxas de juros.


Vale ressaltar que a retirada dos estímulos pode impactar negativamente países emergentes como o Brasil, dado a tendência do mercado americano se tornar mais atrativo para os investidores.


Já na China, o Banco Central sinalizou possíveis medidas de flexibilização para apoiar a recuperação da economia, em meio à forte desaceleração dos últimos meses liderada pela crise no setor imobiliário. Desde que a China superou o pior do impacto da pandemia no ano passado, o Banco Popular da China (PBOC) manteve a política monetária quase inalterada.

Brasil

No Brasil, parte do projeto referente a PEC dos Precatórios foi aprovada em segundo turno pelo Senado, abrindo espaço de R$ 65 bilhões no orçamento de 2022. Como várias partes do texto sofreram alterações durante a tramitação pela Instituição, a PEC voltará a ser analisada pela Câmara dos Deputados.


Após um acordo entre os presidentes da Câmara e Senado, a promulgação (publicação) dos pontos não alterados e já aprovados entre as duas casas foram realizados em 08/12/2021. A expectativa do governo é que o projeto abra espaço fiscal de R$ 108,4 bilhões para o ano de 2022.


No cenário econômico, os dados de inflação continuam a surpreender o mercado. COPOM eleva taxa Selic de 7,75% para 9,25% ao ano, e atinge o maior patamar em quatro anos. Para obter este resultado o Comitê considerou o cenário externo desfavorável, o surgimento da nova variante da Covid-19, alta da inflação e atividade econômica fraca no país.


É sabido que a elevação da taxa de juros é a ferramenta mais fácil e simples de ser usada para controlar a inflação, porém, o efeito colateral disso é a dificuldade de retomada dos investimentos produtivos e empregos no Brasil. 

Mercado de Ações

Em novembro, o Ibovespa completa seu quinto mês consecutivo de perdas e registra queda de 1,53%. No acumulado do ano, o recuo é de 14,37%. Já o dólar cotado a R$ R$ 5,67/US$1,00, fechou o mês em alta de 0,46%. Em 2021 a moeda acumula valorização de 8,61%, um leve recuo de 0,19%, quando comparado ao mês de outubro.


Os índices globais apresentaram desempenhos semelhantes ao Ibov, o S&P 500 (índice que mede o desempenho das principais empresas americanas de capital aberto) recuou -0,7% e o Nasdaq (bolsa de valores sediada em Nova Iorque) se manteve praticamente estável e próximo de suas máximas.


No exterior, os investidores monitoram as preocupações com a variante Ômicrom e analisam a declaração do presidente do FED, Jerome Powell, sobre a inflação. A redução nos estímulos fiscais dos Estados Unidos iniciou em novembro/2021, cujo calendário previsto para conclusão se dá em meados de 2022. Porém, é amplamente esperado que o Banco Central vai revisitar esse cronograma na próxima reunião. 


No território nacional, a aversão ao risco dos investidores se deve ao avanço da inflação, o resfriamento da economia, bem como as indefinições sobre a PEC dos Precatórios. A PEC tem sido vista por grande parte do mercado como uma alternativa menos danosa a saúde fiscal do país, por este motivo há grande expectativa sobre o projeto.

 


Inflação

O surgimento da nova variante Ômicron da Covid-19 serviu como um alerta para os mercados, aumentando as incertezas sobre a retomada do mercado econômico. Outro quadro que tem se mostrado persistente e contribui para a piora do cenário, é a escassez nas cadeias de suprimentos globais.


Com a produção paralisada (total ou parcialmente) por diferentes períodos, fronteiras, pontos centrais de logística fechados, além da entrada e saída de trabalhadores no mercado de trabalho, acabaram contribuindo para uma elevação considerável nos preços dos produtos devido a uma oferta menor que a demanda, e em alguns casos até mesmo a falta deles.


A escassez que começou com semicondutores para carros e computadores, acabou se expandindo para produtos de consumo básico como vidros, plásticos e até mesmo mão de obra. O reaquecimento da economia, somada aos benefícios fiscais, juros baixos, estímulos monetários e demanda fortemente impulsionada, explicam os níveis recordes de inflação registrados ao redor do mundo. 


O IPCA, índice responsável por medir a inflação do país subiu 0,95% em novembro/2021. Ainda que tenha registrado uma desaceleração quando comparado ao mês de outubro, o acumulado do ano segue em alta de 9,26%, e de 10,74% para os últimos 12 meses. 


De acordo com o IBGE, o grupo de transportes foi o principal contribuinte para este aumento, subindo 3,35%, puxado pela alta dos combustíveis. Só a gasolina subiu 7,38% no mês. 

 
 
 
 

ESTRATÉGIA DE RENDA VARIÁVEL

Para o fundo exclusivo de renda variável ENERGISAPREV FIA, apesar de apresentar uma leve recuperação no mês de novembro, quando comparado a outubro, o fundo permanece negativo em 0,93%, com retorno acumulado para o ano de -14,42%. 


Infelizmente este segmento tem sofrido com toda a crise fiscal e monetária que o país tem passado.  A nova variante da Covid-19, bem como o pronunciamento do FED (Banco Central Americano) a respeito da retirada dos estímulos nos Estados Unidos, também causa impacto neste segmento.

Retornos dos fundos de renda variável

[1] O Ibovespa é o principal indicador de desempenho das ações negociadas na B3 e reúne as empresas mais importantes do mercado de capitais brasileiro. 

Retornos dos Fundos Multimercado Estruturados

 

ESTRATÉGIA DE MULTIMERCADOS

 O segmento de multimercado é composto pelos fundos ENERGISAPREV FIC FIM e VINCI CRÉDITO MULTIESTRATEGIA. O fundo exclusivo ENERGISAPREV FIC FIM apresentou um retorno de -0,31% no mês, e um retorno acumulado para o ano de 1,16%. O fundo VINCI CRÉDITO MULTIESTRATEGIA, segue acumulando bons resultados. Para o mês o fundo apresentou retorno de 2,70%, com retorno acumulado no ano de 11,36%, resultado acima dos índices CDI e IFMM-A que são utilizados como comparativo de performance para os fundos. A tabela abaixo demonstra o desempenho dos multimercados na carteira da EnergisaPrev:

[2] IFMM-A é uma referência para a indústria de hedge funds. No Brasil, esses produtos se assemelham aos fundos multimercado de gestão ativa, com aplicações em diversos segmentos do mercado e várias estratégias de investimento.

ESTRATÉGIA EXTERIOR

Essa classe de ativos foi implementada no dia 18 de dezembro de 2021. A Fundação selecionou para a estratégia o FOF Multi Global Equities IE FIC com a gestão da área de Fund of Funds do Itaú DTVM. Os fundos investidos pelo ativo são: Morgan US Advantage, Egerton LO, Edgewood US Select, Wellington Strategic, Vanguard 500 Stock, Artisan Global, Vanguard Europe, Vanguard Japan e T. Rowe Japan. 


Este segmento apresentou queda de 2,08% para o mês de novembro. Com a desaceleração do crescimento econômico se mostrando evidente e o posicionamento do presidente do FED, Jerome Powell,  admitindo que a inflação nos EUA é uma ameaça “persistente”, já era esperada a variação apontada.

Retornos dos fundos do exterior

 
 

ESTRATÉGIA DE RENDA FIXA

Os fundos de renda fixa permanecem no radar dos investidores, principalmente daqueles que possuem aversão a risco. Com as incertezas do cenário econômico local causadas principalmente pela conclusão da PEC dos precatórios, somada a alta constante da taxa Selic, estão beneficiando o segmento de renda fixa, que tende a crescer nos próximos meses.

 
Nosso fundo exclusivo de crédito ENERGISAPREV FIRF CP apresentou o melhor desempenho dentre os demais fundos, fechando o mês de novembro com um retorno mensal de 3,21%. 


O quadro abaixo demonstra os resultados dos fundos desde o início do ano:

Retornos dos fundos de renda fixa

[3] Certificado de Depósito Interbancário trata-se de uma taxa que lastreia as operações interbancárias (entre bancos).

[4] O Índice de Debêntures ANBIMA, conhecido como IDA, espelha o comportamento de uma carteira de dívida privada, mais especificamente das debêntures. Ele é um termômetro do desempenho desses produtos para os investidores.

ESTRATÉGIA DE TÍTULOS

PÚBLICOS FEDERAIS

Com relação aos títulos públicos indexados ao IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), a carteira do IMA B apresentou um ótimo quadro de recuperação para o mês de novembro, com retorno positivo de 3,47%.  
Para os subíndices, como o IMA B5, índice que comporta títulos até cinco anos e indexados ao IPCA, também não foi diferente, seu retorno no mês ficou positivo em 2,50%, diferente de outubro quando registrou um retorno negativo de 1,24%. 


O IMA B5+ (composto por títulos com mais de cinco anos e indexados ao IPCA), encerrou o mês com alta de 4,47%. O índice IMA B5+ por se tratar de ativos com retorno mais longo, possui uma variação maior. 


A mudança do cenário fiscal com a ruptura do teto de gastos no último mês chamou a atenção dos investidores para papéis de prazo mais curto. Dado que os juros oferecidos por papeis mais longos não são compatíveis com o risco que se toma, os títulos de curto prazo tem sido a melhor aposta do mercado. 


A tabela abaixo demonstra os retornos das NTN-B (Notas do Tesouro Nacional Série B), ativo indexado à inflação.

Retornos das NTN-B