JULHO 2021

banner_julho.png

INVESTIMENTOS

Impacto econômico projetado pela Variante Delta da COVID-19 aparenta ser pequeno devido à eficiência das vacinas em países com alto nível de vacinação.

podcast.png

Confira abaixo, os principais eventos e índices que marcaram o mercado econômico no mês de julho de 2021 e como eles afetaram as carteiras:

folhas1.png

2,34%

Ibovespa - Julho/2021

Indicador

CDI
Poupança
IMA-B
Ibovespa
IFMM-A
Dólar
IFIX
IRFM 1+
IDA Geral
IPCA
INPC
IPC

2021

1,64%
1,13%
-1,03%
2,34%
1,74%
-1,46%
-1,61%
-4,09%
3,38%
4,76%
5,01%
4,56%

mai/21

0,27%
0,16%
1,06%
6,16%
1,28%
-3,17%
-1,57%
0,20%
0,64%
0,83%
0,96%
0,41%

jul/21

0,36%
0,24%
-0,37%
-3,94%
-0,82%
2,39%
2,54%
-0,83%
0,37%
0,96%
1,02%
1,02%

jun/21

0,30%
0,20%
0,42%
0,46%
0,66%
-4,40%
-2,20%
0,22%
0,59%
0,53%
0,60%
0,81%

Mercados globais

Investidores têm buscados ativos mais seguros, devido ao avanço da variante Delta da COVID-19.

Brasil

O ritmo da vacinação contra a COVID-19 segue alto, mas a inflação ainda é um assunto que se mostra presente. 

Mercado de ações

O mês foi marcado pela aversão ao risco nos mercados.  O Ibovespa fechou o mês de julho com perdas de 3,94%, pior resultado desde fevereiro.

Inflação

No acumulado do ano o IPCA atingiu 4,76% e o INPC alcançou o patamar de 5,01%.

folhas1_edited.png

CONSOLIDADO DOS INVESTIMENTOS DA ENERGISAPREV

Os planos administrados pela EnergisaPrev possuem segregação real de ativos, o que quer dizer que cada plano possui sua política de investimentos e carteira que buscam garantir a solvência e liquidez ao longo do tempo, orientadas pelo passivo de cada plano (como o fluxo do passivo, por exemplo). Assim, os recursos dos planos de benefícios são contabilizados e gerenciados separadamente. Isto é, de forma independente e não solidária, inclusive nos resultados auferidos.

Total dos recursos garantidores

R$ 1,57 bilhões

84,40%
4,69%
4,89%

1,66%

2,82%
1,54%

Renda Fixa

Renda Variável

Estruturados

Inv. Exterior

Empréstimos

Imobiliário

Evolução dos Investimentos

(em R$ bilhão)

A EnergisaPrev administra aproximadamente R$ 1,57 bilhão em ativos, o patrimônio dos planos é aplicado em diversos segmentos de investimentos, incluindo desde renda fixa até investimentos no exterior. A carteira de investimentos da EnergisaPrev vem passando por uma reformulação nos últimos meses, a gestão tem buscado investimentos que acompanhem o mercado atual, e seus gestores possuem grande capacidade para buscar as melhores alocações.
A aplicação dos recursos é realizada de maneira estratégica, buscando atingir rentabilidades que garantam uma evolução do patrimônio, assegurando os compromissos dos planos hoje e no futuro.

O que fizemos nas carteiras

Foi implementado os dois Fundos de Fundos (Fofs) exclusivos para as posições em renda variável e multimercados. O primeiro chama-se EnergisaPrev FIA, com a gestão da Vinci Gestão de Patrimônio, e, o segundo chama-se EnergisaPrev FIC FIM, com a gestão da Bradesco Asset Management. Quanto às aplicações no exterior, no mês, foi realizado o aporte no FOF Multi Global Equities IE FIC gerido pelo Itaú.  Foi efetivado o maior projeto da Fundação: a migração de planos. Em função desse movimento, foi realizada a segregação de ativos, e o reflexo foi um crescimento substancial da carteira do plano Energisa CD e a mudança de marcação de curva para mercado dos ativos recebidos pelo plano.

Detalhamento por Plano

podcast.png
 

OBSERVAÇÕES E ANÁLISE DE MERCADO

 

O segundo semestre do ano iniciou com certo temor frente ao avanço da variante Delta da COVID-19. No entanto, o impacto econômico projetado aparenta ser pequeno, pois as vacinas mostraram-se eficientes em países com alto nível de vacinação.

Mercados globais

Investidores têm buscados ativos mais seguros, devido ao avanço da variante Delta da COVID-19 por todo o globo. Esse avanço gerou preocupações sobre a expectativa da retomada econômica. No entanto, as principais bolsas mundiais fecharam o mês em alta. O FED mostrou pouca preocupação frente ao avanço da nova variante e os possíveis impactos na economia. Cabe frisar que pelos últimos pronunciamentos do banco central americano, os estímulos a economia estão próximos do fim nos EUA.

Brasil

No Brasil o ritmo da vacinação contra a COVID-19 segue alto, o reporte de casos apresentou desaceleração em relação ao mês de junho. A inflação ainda é um assunto que se mostra presente, já que estourou o teto da meta. A estiagem e nível de reservatórios em baixa ajudaram no aumento da tarifa de energia elétrica, aumento que impactou o INPC de julho, causando a maior alta para o mês desde 2002. No cenário fiscal as incertezas continuam com relação aos ajustes da reforma tributária, a possível tributação dos dividendos pode motivar a retirada de capital estrangeiro do país, ocasionando uma pressão negativa na bolsa. No campo político, assuntos como a reformulação do Bolsa Família, resultam na possibilidade de risco fiscal no país.

Mercado de Ações

O mês de julho foi marcado pela aversão ao risco nos mercados. O Ibovespa fechou o mês de julho com perdas de 3,94%, pior resultado desde fevereiro. Tal resultado pode ser explicado levando em consideração a piora na percepção de risco fiscal, à medida que o congresso começa a debater o orçamento de 2022. O resultado do último dia útil do mês de julho foi de -3,08%, principalmente pelo humor internacional e a conturbada agenda econômica brasileira.


Outro ponto são as constantes revisões da SELIC. A ação com melhor desempenho foi a JBS (JBSS3) com valorização de 10,14%, e a de pior desempenho foi da Americanas S.A (AMER3) com desempenho de -25,90%.

 


Inflação

O IPCA avançou a 0,96% em julho. O item que mais impactou nesse resultado foi o aumento da taxa de energia elétrica que disparou 7,88% em julho. Já o INPC fechou em 1,02%. No acumulado do ano, o IPCA atingiu 4,76% e o INPC alcançou o patamar de 5,01%. Estudos recentes mostram a projeção para inflação acima do teto da meta perseguida pelo Banco Central para 2021. O relatório Focus publicado em 05/07/2021 projeta o IPCA a 6,07%, já no relatório publicado em 06/08/2021 o valor estava em 6,88%.

 
 
 
 

ESTRATÉGIA DE RENDA VARIÁVEL

A estratégia passou por reestruturação nos últimos meses, em maio foi efetuado o resgate total do fundo Itaú Phoenix FIA, e em junho o resgate total do fundo Vinci Selection FIA, os recursos foram aplicados no fundo consolidador da estratégia de Renda Variável, o EnergisaPrev FIA. Como pode-se observar no quadro abaixo, o Ibovespa fechou o mês em -3,94%, no acumulado ficou em 2,34%, o fundo fechou em 2,91% no acumulado, resultado superior ao Ibovespa.

Retornos dos fundos de renda variável

[1] O Ibovespa é o principal indicador de desempenho das ações negociadas na B3 e reúne as empresas mais importantes do mercado de capitais brasileiro. 

Retornos dos fundos multimercado

 

ESTRATÉGIA DE MULTIMERCADOS

 Após a modificação da estratégia essa classe de ativo conta com dois fundos: o VINCI CRÉDITO MULTIESTRATEGIA e o fundo exclusivo ENERGISAPREV FIC FIM, os desempenhos no acumulado do ano ficaram em 7,19% e 0,71% respectivamente. A tabela abaixo demonstra os retornos dos fundos multimercado da carteira da EnergisaPrev:

[2] IFMM-A é uma referência para a indústria de hedge funds. No Brasil, esses produtos se assemelham aos fundos multimercado de gestão ativa, com aplicações em diversos segmentos do mercado e várias estratégias de investimento.

ESTRATÉGIA EXTERIOR

Essa classe de ativos foi implementada no dia 18 de dezembro. A Fundação selecionou para a estratégia o FOF Multi Global Equities IE FIC com a gestão da área de Fund of Funds do Itaú DTVM. Os fundos investidos pelo ativo são: Morgan US Advantage, Egerton LO, Edgewood US Select, Wellington Strategic, Vanguard 500 Stock, Artisan Global, Vanguard Europe, Vanguard Japan e T. Rowe Japan.

Retornos dos fundos do exterior

 
 
 

ESTRATÉGIA DE RENDA FIXA

No mês de julho/2021, a estratégia ficou com as rentabilidades equilibradas, o fundo VINCI Valorem fechou em 0,37% revertendo o desempenho negativo de junho. O ativo com melhor retorno foi o VINCI FIRF IMOB CP LP fechando o mês de julho em 0,57% e no acumulado em 2,59%. O quadro abaixo demonstra os resultados dos fundos desde o início do ano:

Retornos dos fundos de renda fixa

[3] Certificado de Depósito Interbancário trata-se de uma taxa que lastreia as operações interbancárias (entre bancos).

[4] O Índice de Debêntures ANBIMA, conhecido como IDA, espelha o comportamento de uma carteira de dívida privada, mais especificamente das debêntures. Ele é um termômetro do desempenho desses produtos para os investidores.

ESTRATÉGIA DE TÍTULOS

PÚBLICOS FEDERAIS

Com relação aos títulos públicos indexados ao IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), a carteira do IMA B obteve retorno negativo de 0,37% em julho de 2021. Entre os subíndices, o IMA B5, índice que comporta títulos até cinco anos e indexados ao IPCA, apresentou um desempenho positivo de 0,3%. Esse resultado foi carregado pelo vértice com vencimento em maio de 2022. O IMA B5+ (composto por títulos com mais de cinco anos e indexados ao IPCA), encerrou o mês com perda de 0,76%. A tabela abaixo demonstra os retornos das NTN-B (Notas do Tesouro Nacional Série B), ativo indexado à inflação.

Retornos das NTN-B