JULHO 2020

INVESTIMENTOS

Situação fiscal brasileira permanece

delicada e exige monitoramento 

Confira, abaixo, os principais eventos e índices que marcaram o mercado econômico no último mês e como eles afetaram as carteiras:

Dívida Bruta Governo Federal - % PIB

Indicador

CDI
IMAB
IBOV
IFMMA
DOLAR
IFIX
IRFM1+
IDA
IPCA

2020

1,95%
2,65%
-11,01%
1,60%
29,09%
-14,51%
7,59%
1,25%
0,46%

jul/20

0,19%
4,39%
8,27%
2,21%
-4,98%
-2,60%
1,47%
2,00%
0,36%

Bolsa encerrou o mês com desempenho positivo

O Índice Ibovespa subiu 8,27% em julho e acumula a quarta alta mensal seguida.

Estratégias inéditas

Os Governos ao redor do mundo lançaram mão de programas de ajuda emergencial e estímulo creditício em uma magnitude sem precedentes.

Inflação abaixo da meta

A projeção dos economistas para a inflação segue bem abaixo do centro da meta de 2020.

Poupança com rentabilidade real próxima a zero

Com a Selic no patamar de 2% ao ano, a caderneta de poupança passa a render 1,4% contra uma inflação projetada de 1,63%.

CONSOLIDADO DOS INVESTIMENTOS DA ENERGISAPREV

Os planos administrados pela EnergisaPrev possuem segregação real de ativos, o que quer dizer que cada plano possui sua política de investimentos e carteira que buscam garantir a solvência e liquidez ao longo do tempo, orientadas pelo passivo de cada plano (como o fluxo do passivo, por exemplo). Assim, os recursos dos planos de benefícios são contabilizados e gerenciados separadamente, isto é, de forma independente e não solidária, inclusive nos resultados auferidos. 

Total dos recursos garantidores

R$ 1,37 bilhões

84,93%
5,89%
4,44%
2,74%
2,00%

Renda Fixa

Renda Variável

Estruturados

Empréstimos

Imobiliário

Evolução dos Investimentos

A EnergisaPrev administra aproximadamente R$ 1,37 bilhões em ativos para mais de 10.000 participantes através de 15 planos de benefícios previdenciários, sendo sete na modalidade de benefício definido, quatro na modalidade de contribuição variável e quatro na contribuição definida. Está entre os 100 maiores fundos de pensão do Brasil, de acordo com o ranking da Abrapp pagando por ano, aproximadamente
R$ 100 milhões em aposentadorias e pensões.

(em R$ bilhão)

O que fizemos nas carteiras

Zeramos a posição que tínhamos no fundo de crédito privado AF Invest Geraes 30 FI RF CP, JGP C 90 FIC FIRF CP LP e Sparta TOP FIC FIRF, com o objetivo de suavizar ainda mais a volatilidade da parcela de renda fixa nessa classe de ativos. Para as demais classes, foi aprovado a criação de Fundos de Fundos (Fofs) exclusivo para as nossas posições em renda variável e multimercados, buscando a potencialização da carteira. Foi aprovado, também, a alocação de recursos no exterior, de acordo com recomendação das Políticas de Investimentos, com o intuito de explorar a diversificação dos portfólios e buscar novas fontes de retorno. Nos próximos meses, a área de investimentos irá operacionalizar as aplicações.

Detalhamento por Plano

 

OBSERVAÇÕES E ANÁLISE DE MERCADO

 

Bolsa encerrou o mês com desempenho positivo

Ao longo do último mês, os mercados ao redor do mundo continuaram os movimentos de apreciação. O S&P 500, principal índice americano de ações, rentabilizou 5,51% e o MSCI World, principal índice global de ações, rentabilizou 4,69%. O Índice Ibovespa subiu 8,27% em julho e acumula a quarta alta mensal seguida, tendo alcançado a meta psicológica dos 100 mil pontos, índice que havia sido perdido desde o início da pandemia. No ano, porém, o índice ainda segue negativo, com queda de 11%.


A alta liquidez provocada pelos bancos centrais internacionais foi um dos fatores que contribuiu para o crescimento da bolsa de valores, tanto brasileira quanto americanas, junto à baixa taxa de juros da renda fixa. 

Estratégias inéditas

Os Governos ao redor do mundo lançaram mão de programas de ajuda emergencial e estímulo creditício em uma magnitude sem precedentes, alcançando a marca de 20% do PIB global em menos de 6 meses. O presidente do Banco Central Americano – Federal Reserve (FED), Jerome Powelll, inclusive, disse que o Fed continuará injetando dólares na economia até a sua recuperação.


No âmbito fiscal brasileiro, as principais medidas implementadas incluem o auxílio emergencial a pessoas em situação de vulnerabilidade financeira; o benefício emergencial de manutenção de emprego e de renda, visando dar suporte a trabalhadores formais com jornada e salários reduzidos; e o auxílio financeiro aos estados e municípios, dada a substancial queda esperada na arrecadação.


Há, também, linhas de crédito financiadas ou com garantia do Tesouro Nacional, que foram implementadas a fim de assegurar a manutenção de empregos e a sobrevivência de pequenas e médias empresas, como a concessão de financiamento para pagamento da folha salarial.


Nesse contexto, é um fato que governos sairão desta crise com maiores níveis de endividamento público, fruto do aumento de gastos necessário para arcar com medidas de combate à crise. No Brasil, estima-se que o salto seja de um patamar de 75,8% de dívida/PIB, no passado, para mais de 90% ao final de 2020, com rumo aos 100% nos próximos anos.


Os estímulos estão sendo muito maiores que o observado na crise de 2008. Tudo indica que o endividamento permanecerá por muito mais tempo. Isso posto, cresce o nível de incerteza para o longo prazo, principalmente no que tange a como serão pagos estes gigantescos pacotes de estímulos e, em cenários como este, a diversificação dos portfólios se torna cada vez mais necessária. 

Inflação abaixo da meta

A inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) teve alta de 0,36% em julho na comparação mensal. O maior impacto veio dos transportes (0,78%) e habitação (0,80%). Nos transportes, a alta foi influenciada pela alta nos preços da gasolina (3,42%) e no grupo habitação a maior contribuição veio do item energia elétrica (2,59%). 


De acordo com o Relatório de Mercado Focus, divulgado pelo Banco Central, a mediana para o IPCA neste ano permaneceu em alta de 1,63%. Em 2021 seguiu em 3%, 2022 em 3,50% e em 2023, 3,25%. A projeção dos economistas para a inflação segue bem abaixo do centro da meta de 2020, de 4%, sendo que a margem de tolerância é de 1,5 ponto porcentual (índice de 2,50% a 5,50%). No caso de 2021, a meta é de 3,75%, com margem de 1,5 ponto (de 2,25% a 5,25%). A meta de 2022 é de 3,50%, com margem de 1,5 ponto (de 2,00% a 5,00%), enquanto o parâmetro para 2023 é inflação de 3,25%, com margem de 1,5 ponto (de 1,75% a 4,75%).

Poupança com rentabilidade real próxima a zero

De acordo com a autoridade monetária, esse cenário híbrido considera que a Selic encerrará este ano em 2,00% ao ano, subirá para 3,00% a.a. ao fim de 2021 e chegará a 5,00% no fim de 2022.


Com a Selic no patamar de 2% ao ano, a caderneta de poupança passa a render 1,4%. Em julho, a poupança rendeu 0,13%, ante variação de 0,19% do CDI, o principal referencial das aplicações de renda fixa. No ano, o rendimento da caderneta chega a 1,51% (ante 1,98% do CDI) e, em 12 meses, a 3,12%, enquanto o CDI teve variação de 4,17%.


Apesar da rentabilidade real próxima a zero, a caderneta de poupança registrou captação liquida de R$ 27,1 bilhões de julho e R$ 111,6 bilhões no acumulado do ano, deixando claro a falta de educação financeira dos brasileiros. 


Nesse cenário, dado que os próximos meses ainda tendem à volatilidade – ao menos até que se encontre uma solução no campo médico-científico –, você, participante, pode ter a certeza de que todas as decisões em investimentos estão focadas em garantir sua rentabilidade no longo prazo, sempre visando diversificação do portfólio e buscando a melhor relação entre risco e retorno.


Para isso, a Fundação convida você a tirar todas as suas dúvidas sobre rentabilidade e características de seu plano por meio de seus canais de relacionamento. Quanto mais informados e mais próximos estivermos, maior será o sucesso e eficiência em nossa relação de longo prazo. Conte sempre com a EnergisaPrev!

 
 

ESTRATÉGIA DE RENDA VARIÁVEL

Como pode ser observado no quadro ao lado, as estratégias foram positivas em julho, porém ainda negativas no acumulado de 2020. No mês, os mercados seguiram em ritmo de recuperação. Tanto as bolsas de mercados desenvolvidos quanto emergentes fecharam positivas. No Brasil, o governo tenta retomar a agenda de reformas e enviou a primeira parte da sua Reforma Tributária, que unifica os impostos do PIS e Cofins em uma única alíquota de Contribuição sobre Bens e Serviços (CBS). Os Fundos, com exceção do Oceana Selection FIA, obtiveram retornos acima do Ibovespa. Os principais ganhos se concentraram nos Fundos Moat Capital e Vinci Mosaic e Leblon, 12,57% e 10,23% respectivamente. No geral, as principais contribuições positivas ficaram concentradas no setor de Energia Elétrica, Imobiliário e de Varejo Online. A tabela ao lado demonstra os retornos dos fundos de renda variável da carteira da EnergisaPrev:

Retornos dos fundos de renda variável

[1] O Ibovespa é o principal indicador de desempenho das ações negociadas na B3 e reúne as empresas mais importantes do mercado de capitais brasileiro. 

 

ESTRATÉGIA DE MULTIMERCADOS

Essa classe de ativo, assim como ativos de renda variável, apresentou desempenho positivo no mês de julho, porém negativo ainda para alguns Fundos no acumulado de 2020. Todos os Fundos obtiveram retornos acima do CDI. Entre as posições que mais contribuíram para a performance dos fundos, continuam nas apostas em juros e bolsa. A tabela ao lado demonstra os retornos dos fundos multimercado da carteira da EnergisaPrev:

Retornos dos fundos multimercado

[2] IFMM-A é uma referência para a indústria de hedge funds. No Brasil, esses produtos se assemelham aos fundos multimercado de gestão ativa, com aplicações em diversos segmentos do mercado e várias estratégias de investimento.

 

ESTRATÉGIA DE CRÉDITO

Em julho, o mercado de títulos privados, representado basicamente pelas debêntures, LFs e CDBs, apresentou mais um mês de excelente recuperação, com a liquidez voltado a sua normalidade. Não há sinais de default generalizado no mercado de crédito brasileiro devido o mercado ser muito seletivo. Os fundos da carteira continuaram o movimento de recuperação. Os principais ganhos se concentraram nos Fundos JGP e Sparta que obtiveram retorno de 1,67% e 1,26% respectivamente

Retornos dos fundos de crédito privado

[3] Certificado de Depósito Interbancário trata-se de uma taxa que lastreia as operações interbancárias (entre bancos).

[4] O Índice de Debêntures ANBIMA, conhecido como IDA, espelha o comportamento de uma carteira de dívida privada, mais especificamente das debêntures. Ele é um termômetro do desempenho desses produtos para os investidores.

 
 

ESTRATÉGIA DE TÍTULOS

PÚBLICOS FEDERAIS

A aplicação em títulos públicos no Tesouro Nacional busca mais segurança e é o principal ativo das carteiras das Entidades Fechadas de Previdência Complementar. Às vésperas de uma nova queda da taxa Selic, os prêmios pagos pelos papéis foram reduzidos ainda mais, o que levou todos os títulos atualmente disponíveis para compra a registrarem alta acima da variação do CDI. Os títulos públicos indexados à inflação, as NTN-Bs, rentabilizaram na média 4,55%. Vale lembrar que o investidor só terá as perdas ou os ganhos apontados se efetivamente vender os papéis antecipadamente. Se carregá-los até o vencimento, o retorno vai respeitar as taxas e as condições contratadas no momento de aquisição dos títulos. A tabela ao lado demonstra os retornos das NTN-B (Notas do Tesouro Nacional Série B), ativo indexado à inflação.

Retornos das NTN-B